quarta-feira, 15 de agosto de 2012

THANK YOU FACEBOOK


"Hello Jackie,
You have disabled your Facebook account. To reactivate your account at any time, log in using your Facebook email and password to log old. You will be able to use the site as it used to access.
Thank you,
The Facebook Team"


Esta morte estava anunciada já há algum tempo em meu coração, meus olhos começaram a enxergar um mundo que me angustiava, e me fazia descobrir que muitas pessoas já não estavam sendo reais diante de mim.

Quando imaginamos achar uma arte de criar possibilidades, acho até muito útil ter o facebook. no entanto reconheço hoje que é um mundo de promoções, e vai do novo as velhas lembranças, do compartilhar as amostras, do real ao irreal. Uma ferramenta de promoção que toda a gente usa e abusa. Fora a fonte gigantesca de spam, e das promoções de atividades como passatempo ou espaços que a única solução que encontram para alguma crise que se vive é disparar para as suas extensas listas de amigos tudo aquilo que realizam, e sem o mínimo critério. Preocupa-se mais com a quantidade de contatos “amigos”, do que se interrogar, o que promove é disperso, impessoal? E a quantidade escondida atrás de uma página bonita com dizeres de outros escritores, onde se ve a vida como um comercial de margarina... Mas lá dentro há um vazio para se preencher. 

Durante os dias recebia informação de atividades sem o mínimo critério por quem envia. E o mais chato pessoas que vivem dando indiretas umas para as outras. O que me causa náusea  é saber que muitos nem sabem que no meio dos seus contatos / “amigos”, existe um fake ali infiltrado, pensando ser aquela pessoa ou talvez outra, no entanto não é. Simplesmente alguém que quer espionar sua vida, ou alguém que queria ser outra pessoa em um momento qualquer, longe da realidade em que vive, longe de estar comprometido ou de aparecer quem é na realidade,  e assim utilizam você para preencher suas listas de amigos, e esse então não parecer um fake.

Poucos pensam se aquilo que eu quero sair gritando e mostrando, os outros  gostariam de receber ou ler. Mas daí se pensa... "então esteja fora, não tenha facebook", Yes!!!  Ali vejo mais um cardume indiferenciado. Realmente " o agora” ou "o futuro” para mim não está ali. Desperdiça-se tempo e energia. Ok! “Eu não!” É o que mais ouço. “Isso não me prende”. Mesmo 5 minutos por dia, são quase 3 horas por mês de comentários, links e vídeos. Quando tomei esta decisão e compreendi que era a decisão que para mim fazia sentido, tive dificuldade em adormecer de tão livre que eu estava. É ... quando se esta preso,  depois da liberdade é normal que se sinta estranho, parece que te falta algo, como uma corrente que te puxava e te prendia. Dai pode-se dizer: "Você não tem domínio próprio?" Sim, tenho, tanto que me proibo de perder tempo me frustrando.

Não tendo essa ferramenta, já estou com mais vontade de encontrar algumas pessoas queridas. Sinto saudades. "Sinto saudades" eu disse isso? Haaa isso que eu disse não pode ser real... Como se o facebook pudesse matar a saudade. Sim porque não? Pois uma grande carência nos relacionamentos parece ser suprido por ele. É o fim! Agora entendo como aquela palavra cada vez mais se torna real, "o amor de muitos esfriarão". Tenho que concordar que é mais fácil praticar o 70 x 7 no face, do que por metro quadradro.

Sei que essa minha decisão pode ser vista como radical ou sem nexo. Mas eu sei que quando algo em nossos dias nos angustia ou não nos edifica em nada, é hora de descartar. Amigos e contatos não serão esquecidos, e os nossos compartilhares serão mais intensos, é o que quero para mim, embora com certeza as ferramentas na web são bem úteis, e creio que consigo escrever um e-mail e ter a familiaridade suficiente para criar um contexto com as pessoas. Também estou pronta para ler os comentário em minha caixa de e-mail do meu blog, mesmo sendo de pessoas que eu nem mesmo conheço, que comentam algo sobre as postagens, e fazem perguntas. Isso tem me feito crescer e me edificado!

Termina assim a minha passagem pelo facebook. Mas meu contato continua o mesmo pelo blog, e e-mail: jackeline.sing@hotmail.com . E deixo um recadinho, não para deixarem as paginas do facebook, mas para que suas perspectivas sejam além de querer ser visto ou de ver o que se fazem ou o que dizem por ali. Que você possa ter cuidado com fakes, e que possa prestigiar a qualidade e não a quantidade. Procure ver e estar presente com seus amigos, parentes e conhecidos. E quando for um dia especial, se não puder estar junto, ao menos de um telefonema e não somente mande um recadinho por e-mail ou pelo face. Seja real para as pessoas, seja presente de verdade!

Me perdoem Eduardo Saverin e Zuckerberg, acho sim que fizeram um ótimo trabalho, mas eu não concordo que:
“facebook helps you connect and the people in your life”
"O Facebook ajuda você a se conectar e as pessoas em sua vida"

Mas digo que:

“love,
contact, dialogue not only help but bring people to live a real life.”
O amor, o contato, o diálogo não só ajudam, mas aproximam as pessoas a viverem a realidade.”

Ainda respondo algumas perguntas para meu esposo do tipo: "-Tem alguém te encomodando no facebook para você excluir? Eu respondo: - Não, não tem. Simplesmente prevalece aquele ditado. "Os encomodados que se retirem." Foi o que fiz! 

;)
Jackeline Matos